meets

PRETO É A COR DO MOMENTO

O #INSTAMEETBLACK VIROU TENDÊNCIA

Até parece editorial de moda, mas é sobre a terceira edição do #InstameetBlack. O movimento que teve início no ano passado, contou com a participação de 8 cantos do globo e 18 lugares no Brasil.

#InstameetBlack em Amsterdã.

#InstameetBlack em Amsterdã.

Dessa vez, alcançamos Viena, Japão, Amsterdã, Uzubequistão, Honduras, Guatemala, invadimos o México, passamos por Playas de Tijuana, Aguascalientes, Ciudad de Mexico, Orizaba, Xalapa. E vários lugares do Brasil, como São Paulo - SP, Campinas - SP, Fortaleza - CE, Brasília - DF, Manaus - AM, Goiânia - GO, Belo Horizonte - MG, Campo Grande - MS, Campina Grande - PB, Curitiba - PR, Recife - PE, Juazeiro - BA, Rio de Janeiro - RJ, Natal - RN, Porto Alegre - RS, Nova Tentro - SC e São Francisco do Sul - SC.

O que mais chamou a atenção nesta edição não foi as fotos em si, mas a conexão que se fortaleceu entre quem participou. Quando estamos sozinhos, esquecemos que pode ter alguém querendo o mesmo que nós bem ao nosso lado.

A chuva forte não espantou as mais de 30 pessoas que apareceram no Distrito de Paranapiacaba, em São Paulo. Em Brasília, o #InstameetBlack virou uma grande aventura, resumida no vídeo do Lucas Viniciús. O Claudio Ebson e o Alcimar Verissimo montaram um IMB humano com quem participou no Recife. Do Amazonas ao Rio Grande do Sul, o pretexto era fotografar todos vestindo preto, mas o propósito continua sendo cada vez maior.

#InstameetBlack em Recife, Pernambuco.

#InstameetBlack em Recife, Pernambuco.

O movimento não acaba quando o último clique é dado, ele permanece dentro de cada um que resgatou a roupa preta no guarda-roupa e esteve disposto a quebrar fronteiras. Não estou falando de linhas imaginárias que dividem territórios, mas das cercas que circulam nossa cabeça, reflita sobre o quanto você pode alcançar se tentar quebrá-las.

Um dia você pode estar aqui e no outro, passando 8 horas em Amsterdã. Sempre vai haver alguém para nos conectarmos. Perto ou longe, cultive desde já.





FAMÍLIA ANTILITY

 

A Ana é uma fotógrafa de São Paulo, que está sempre por dentro do que a colônia do Brasil está fazendo ou falando. 

Juntando a paixão por fotos e viagens, a Ana deu um pulo no Recife para acompanhar de perto o #AntMeet e veio contar como foi. 

Acompanhe a Ana no Instagram.

 

ANTMEET RECIFE

Embora já tivesse enfrentado muito calor no segundo #InstameetBlack, nada se comparou aos 35ºC com sensação térmica de 100ºC, que estava registrando naquela sexta-feira, 25 de março de 2016, em Boa Viagem, Recife.

O ponto de encontro do #AntMeetRec foi no Parque Dona Lindu, um espaço incrível de lazer e cultura no coração da cidade, com o projeto arquitetônico assinado por Oscar Niemeyer. Ficamos bem felizes, pois era feriado, dia de almoço com a família, e ainda assim, 38 Instagrammers estavam lá. A maioria, pela primeira vez, era Recife, Petrolina e São Paulo, unidos pela paixão por fotografia, conhecer gente nova e principalmente, fazer parte de algo maior.

Esqueci de mencionar, mas estava tão perto da praia, que era só atravessar a rua para colocar os pés na areia, coisa que paulistano não está acostumado, né?

No início, eu, Tato e Binho nos apresentamos, falamos um pouco sobre o que fazemos da vida e em seguida, contei sobre o Antility, como surgiu, nossos pilares e o quanto o sentido de comunidade é importante e deve ser levado adiante. Pude perceber pelos sorrisos nos rostos dos ouvintes, sobre o quanto partilhar de um mesmo ideal, é vital para alcançarmos grandes mudanças.

Conversei com algumas pessoas, mas uma em especial, me chamou a atenção. O nome dela é Abigail (@abijailds), vive em Petrolina, estava visitando a família em Recife e resolveu nos encontrar. Abigail, é uma menina ainda, mas foi protagonista de uma das cenas mais bonitas que já vi no mundo do Instagram. Ela abriu um lindo sorriso, com os olhos brilhando, ao encontrar a Amanda Pietra (@amandapietrac), fotógrafa e Instagrammer pernambucana, que ela admira muito. A euforia e emoção foi tanta, que emocionou tanto eu, quanto a Pietra, que tratou de dar uma recepção bem calorosa à Abigail.

A colônia de Recife me ensinou muito sobre algo que tem grande significado no coração de todos. Durante o #AntMeet, todos se espalharam, ficaram à vontade, indo e vindo em grupos ou sozinho, sempre se cumprimentando com abraços apertados, dividindo lanches e bebidas. Concluí que todos eles têm muito a nos ensinar sobre família.

Voltei para São Paulo com mais uma lição aprendida: família e amigos dão sentido à nossa jornada, com a força de todos, podemos fazer a diferença na vida das pessoas e nada melhor do que ter a fotografia como desculpa.

Fique ligado nos próximos AntMeets, que podem acontecer na sua cidade.